A3

A arte de alimentar crianças de tenra idade

Todos sabemos que as crianças de tenra idade são muito caprichosas a respeito da comida. A partir do primeiro ano, parece que já não lhes interessa comer, nem sequer as que anteriormente comiam muito. À medida que crescem, as crianças formam ideias muito claras a respeito da comida que se lhes serve e a forma como é servida. Como a alimentação é parte essencial do cuidado com as crianças, se o nosso filho recusa os alimentos que lhe preparámos com tanto carinho, sentimo-nos profundamente magoados. Em tais alturas é importante ter uma perspectiva mais alargada. Você está a ensinar o seu bebé a alimentar-se de forma saudável para que possa tomar conta dele durante toda a vida. Para simplificar esta tarefa, tente ver as coisas do ponto de vista do seu filho. Os seus caprichos fazem parte do comportamento normal das crianças de tenra idade. O seu filho está a tentar estabelecer a sua independência e deseja dar-lhe a saber que quer tomar conta dele próprio. Também está a habituar-se a um padrão de crescimento que lhe permitirá alcançar o seu tipo de corpo genético. Durante esta etapa, o bebé gorducho filho de pais magros começará a parecer-se mais com o resto da família. Em seguida apresentamo-lhe alguns problemas que normalmente ocorrem durante estes anos em que a criança tem tantos caprichos à hora de comer... e como resolvê-los.

1 ano
à provável que no seu primeiro aniversário, o seu filho esteja mais interessado em aprender a andar do que a comer. Como tal, o seu interesse e do seu bebé pela comida diminuirá muito visto que está demasiado ocupado para 'perder' tempo a comer. Mas isto é normal, não se preocupe. Durante o segundo ano de vida, o seu filho cresce já não cresce tão rapidamente e, por isso, o seu apetite também diminui. A gordura extra acumulada durante o seu primeiro ano de vida servir-lhe-á de 'combustível' para estes movimentos emocionantes, mas as refeições abundantes não. No entanto, as crianças nesta idade precisam de energia para continuar em movimento. Uma criança de 1 ano pode esgotar rapidamente o seu combustível e, se isso acontecer, pode ficar agitada ou irritável. O melhor é distribuir o alimento que consumir em cinco ou seis pequenas refeições ao longo do dia. Sirva-lhe porções muito pequenas e dê-lhe um pouco mais se ela acabar. Se servir muita comida estará a oprimi-la e a convidá-la a espalhá-la por todo o lado.
Não existe uma hora adequada para a comida:
Como é muito difícil manter quieta uma criança tão ocupada como ela que começa a andar, todos os bocadinhos são importantes. As calorias 'vazias' das bolachas, os rebuçados ou os sumos são uma perda do seu tempo e apetite.
Se você ou o pediatra entenderem que o seu filho necessita de consumir mais calorias, seria conveniente aumentar o valor nutritivo de cada alimento em vez de aumentar a quantidade de alimentos. Também pode oferecer-lhe alimentos nutritivos durante as refeições habituais, mas não o obrigue a comer. As crianças pequenas a quem se pode permitir decidir quando devem parar de comer crescem com hábitos alimentares muito mais saudáveis. A sua tarefa como mãe é oferecer-lhe alimentos saudáveis e atractivos, de forma regular e no mesmo sítio. O seu filho encarregar-se-á de comer ou não. Se sentar o seu filho junto de si à hora habitual das refeições (mesmo que coma muito pouco), com o tempo aprenderá que deve comer quando as refeições são servidas. As crianças de tenra idade adoram comer à mesa com toda a família. Esta é a oportunidade perfeita para que aprendam boas maneiras à mesa e como relacionar-se com as outras pessoas. Se o seu filho resiste ou atira com a comida está a dizer-lhe que já não quer comer mais. Tire-o da cadeira, dê-lhe um livro para ler e não tente persuadi-lo a comer mais. A única coisa que conseguirá será começar uma guerra que nunca poderá vencer.

O grande desastre:
O seu filho aprende muito ao "brincar" com a comida. Deitar comida para o chão, esmagá-la e besuntar-se com ela são formas de aprender o que é a comida e de apreciá-la. O mais provável é que o seu bebé ainda não saiba utilizar bem uma colher, mas de qualquer modo deverá dar-lhe uma para se treinar. As crianças de tenra idade gostam de comer sozinhas e o melhor é incentivá-las e permitir-lhe que o façam, sem se importar com o 'desastre'. Além disso, é provável que esteja a aprender como usar um copo, o que também significa que terá de apanhar muitos alimentos ele derramar. Em vista do que acabámos de dizer, a sua melhor opção é aprender a viver com o "desastre" utilizando (e usando) materiais fáceis de limpar.

Sugestões de refeições.

Se o seu filho decidir que só vai comer massa, por exemplo, fale com o pediatra sobre a hipótese de lhe indicar se é necessário ou não dar-lhe vitaminas para bebés. Regra geral, as crianças não precisam de vitaminas extra, mas se o seu filho se recusar realmente a comer, talvez as vitaminas façam com que você se sinta mais tranquila. Nunca lhe dê vitaminas para adultos pois podem ser tóxicas para as crianças.

Comer sempre no mesmo sítio.

Estabelecer bons hábitos alimentares significa habituar a criança a comer sempre no mesmo sítio, como por exemplo numa cadeira alta ou numa cadeira de alimentação, na cozinha.

Isto não significa comer em frente à televisão, no quarto ou andando pela casa toda. As crianças que comem em movimento correm o risco de se engasgarem.

18 meses
Durante esta etapa o seu filho precisa de menos comida que no seu primeiro ano de vida. Não se surpreenda: ele já não cresce tão depressa e muitos outros acontecimentos interessantes atraem a sua atenção. As crianças desta idade são muito exigentes com o que querem comer. Não obrigue o seu filho a comer nem lhe exija que deixe o prato vazio antes de se levantar da mesa. Ele sabe a quantidade de que precisa e, se não o pressionar, comerá a quantidade adequada; se o obrigar a comer começará uma guerra de comida que não poderá vencer. Também poderia causar problemas alimentares quando for mais velho.

Obsessões e recusas:
O seu filho pode comer muito dos pratos que a família come. Basta retirar a parte dele antes de acrescentar sal ou condimentos mais fortes. Não é que ela, nalgumas ocasiões, não queira comer o que você está a comer. As crianças de tenra idade tendem a ficar obcecadas por um alimento que as encanta e a comer apenas esse alimento durante dias. Estas 'obsessões' são normais, por isso não se preocupe. Se o que comer for nutritivo, não importa a frequência com que o coma. De qualquer modo, ofereça-lhe alimentos variados pouco a pouco, para ela se acostumar ao aspecto e à textura de alimentos novos. Regra geral, nesta idade terá de oferecer-lhe um alimento novo cerca de 10 vezes antes de ela o aceitar, por isso, não se incomode nem se aflija com a primeira ou a segunda recusa. Evite utilizar a comida como recompensa. Se o seu filho começar a comer para lhe agradar, não está a comer pelo motivo certo. Não suborne o seu filho para que coma. Isto converte-se num jogo absurdo que pode alcançar níveis irracionais. Além disso, não ajuda a que a criança alcance uma alimentação saudável, boa e autónoma. Os estudos revelam que se interagir deste modo a criança comerá menos, não mais. Certifique-se de que lhe dá muitas oportunidades para que coma sozinho, pois já está pronta para treinar como usar uma colher ou um copo. Contudo, evite alimentos com que possa engasgar-se, tais como uvas inteiras, nozes, ou cenouras cruas. As salsichas são as mais perigosas! Se lhas der, corte-os em pedaços pequenos para que ela não se engasgue.

Informação acerca do consumo de líquidos:
Que quantidade de líquido deve ingerir uma criança? Regra geral, o seu filho não deve precisar de 160 cc de sumo por dia. Lembre-se sempre que deve servir-lhe os líquidos numa chávena. O melhor para o seu filho é a fruta, não os sumos, pois são compostos principalmente por açúcar e água. As crianças viciadas em sumo têm padrões de crescimento deficientes e correm o risco de sofrer de "diarreia infantil", problemas dentários e desequilíbrios nutricionais. Por outro lado, o seu filho não precisa de mais de 600 cc de leite gordo; não lhe dê leite magro por que precisa dos ácidos gordos da gordura para o desenvolvimento do cérebro e para o seu crescimento. Se ainda bebe pelo biberão, este é o momento em que deveria tentar que o deixe. Se lhe desagradar ver o seu filho entornar líquido constantemente, uma chávena própria para crianças é uma boa alternativa à chávena normal. Também não deve deixar o seu filho levar o biberão para a cama. Não é bom para o sono nem para a nutrição e, além disso, pode apodrecer os dentes.

Sugestões acerca de refeições.
Aprenda a apreciar o "desastre"! O seu filho de 18 meses precisa de aprender a comer sozinho para reforçar o seu novo sentido de independência e também para aprender a utilizar talheres e copos. Um bibe grande ajudará a proteger a sua roupa e você até pode colocar um tapete de plástico debaixo da cadeira alta ou da cadeira de alimentação. Se não o fizer terá de habituar-se ao desastre depois da criança comer. Ah! E não se esqueça de tirar essa roupa bonita quando chega a hora da refeição. Por outro lado, não lhe permita que atire a comida pelo ar. Se o seu filho começar a atirar comida para todos os lados e parar de comer, quer dizer que está satisfeito. Tire-o da cadeira e não tente persuadi-lo a comer mais.

2 anos
Aos 2 anos o seu filho continua a ser exigente com a comida, mas agora observa-a atentamente para imitá-la. Duas das melhores maneiras para conseguir que o seu filho coma bem são dar-lhe alimentos nutritivos e que você própria se alimente de forma adequada. Por outro lado, lembre-se que o seu filho imita tanto os seus bons hábitos como os maus. Nesta idade não cresce tão depressa como no ano anterior, por isso não precisa de tanta comida como possa pensar. Também tem opiniões extremamente claras a respeito do que comerá (e inclusivamente onde, quando e em que prato). Talvez nalgumas alturas continue 'obcecado' por comer as suas comidas favoritas... para depois, de repente, simplesmente as rejeitar.

Escolha a sua guerra.
Se ceder rapidamente a estes hábitos exigentes, o seu filho não os defenderá com tanta força. Por oposição, se você insistir em fazer as coisas à sua maneira só conseguirá que a guerra adquira mais importância para o seu bebé. Lembre-se que você não vai vencer. Simplesmente certifique-se de que os alimentos que lhe dá são nutritivos e, se o forem, não se importe que ele os coma todas as noites durante um tempo. Não lhe pergunte o que ele quer comer; essa opção dá demasiado poder a uma pessoa tão pequenina. à você quem deve seleccionar os alimentos adequados que agradem às crianças. Não se esqueça de que o seu filho deve comer à mesa. As pessoas que comem a horas certas e em sítios certos normalmente alimentam-se melhor e gozam de uma melhor forma física. Estabeleça este bom hábito logo no princípio. Nunca lhe dê refeições no automóvel nem na cama e, muito menos em frente à televisão. Se o seu filho não beber muito leite, dê-lhe queijo ou iogurte para que consuma cálcio. Esta é a etapa em que o seu filho deveria deixar definitivamente o biberão.

A luta pela comida:
Se o seu filho de 2 anos se recusar a comer o quer que seja que lhe ponha à frente, você entrou numa verdadeira guerra de comida que não vai vencer através do confronto. Tente pôr em prática estas tácticas: Tire-o da mesa, e tente novamente passadas umas horas, na hora habitual da próxima refeição. Comece por uma refeição ligeira nutritiva, como por exemplo queijo e bolachas de água e sal ou fruta. Ponha num tabuleiro e sente-se perto dele. Mas não olhe fixamente para ele à espera que coma. Se ainda se recusar, ponha-o no chão e pare de se preocupar. Nenhuma criança saudável, mesmo com 2 anos, se deixou 'morrer' à fome. Ela estará pronta a comer na hora habitual da próxima refeição. Pergunte no infantário a que horas o seu filho come e o que é que ele come. Se a sua dieta lhe parecer deficiente, discuta este assunto com a pessoa encarregada do infantário. Se nessa instituição não for possível dar ao seu filho os alimentos de que ele necessita, sugira que ele leve um lanche. Mas não seja demasiado exigente; as crianças aprendem com ambientes diferentes e existe muita liberdade de acção quanto a dietas infantis. Se possível, de vez em quando tente almoçar com o seu filho.

3 anos
Apesar de o seu filho de 3 anos ainda ter ideias muito claras relativamente àquilo que gosta de comer, estará mais disposto a experimentar comidas diferentes do que no ano anterior. Provavelmente gostará de determinados alimentos por causa da cor ou da forma e ainda poderá insistir em que a comida seja apresentada de determinada forma. Também gostará de ajudar na cozinha desde que você tenha paciência para as suas limitadas capacidades de assistência.
Nesta idade, é possível que a criança relutante em comer aceite alimentos que sejam apresentados de uma forma nova ou interessante, num prato especial ou de forma curiosa. Está na altura de agir com inteligência e de se divertirem juntos.
As crianças de três anos aprendem muito acerca de comida e socialização à mesa com a família. Estudos realizados mostram que as crianças que fazem pelo menos uma das refeições na companhia da família desenvolvem um melhor vocabulário. Habitue-as a sentarem-se à mesa consigo e não em frente da televisão. Desligue a televisão durante as refeições e substitua-as pelas conversas em família. E faça as refeições a horas certas, sempre no mesmo local, como por exemplo na cozinha ou na sala de jantar.
O seu filho de 3 anos está realmente preparado para aprender a comportar-se à mesa. Ensine-o a dizer "por favor", "obrigado" e "posso". Deverá limitar-se a entornar alguma coisa mas já não atirará com a comida. Já pode e deve ajudar a pôr a mesa. provavelmente gostará dos hábitos e dos rituais das refeições em família.
Isto é, se conseguir que vá para a mesa. As crianças em idade pré-escolar estão frequentemente muito ocupadas a brincar, tanto que raramente se preocupam em parar. Contudo, não deixe que se habituem a comer em movimento. Muitas vezes as comidas práticas para comer/levar contêm elevados teores de sal, gordura e açúcar. E não lhe peça que decidam o que vão jantar. Isto dá-lhes demasiado poder e colocam-na numa posição de "cozinheira às ordens". Ã a si que compete decidir o que fazer para o jantar, e a ela cabe-lhe comer. Não se preste a um papel de "regateadora" com uma criança de 3 anos.
Seguidamente enumeramos algumas coisas importantes a lembrar relativamente à alimentação do seu filho de 3 anos:
- A prisão de ventre pode constituir um problema nesta idade. Geralmente é causada por consumo excessivo de lacticínios e pouco consumo de fruta, legumes e água. Se o seu filho em idade pré-escolar fizer cocó duro acompanhado de dores, ou não evacuar durante um ou dois dias, mude imediatamente de dieta. Se no espaço de dois dias o problema não se resolver, peça aconselhamento ao pediatra. O seu filho poderá tornar-se relutante em ir à casa de banho se isto continuar durante demasiado tempo.
- Se o seu filho ainda usar biberão, tome medidas para lho retirar. Nesta idade, a utilização do biberão pode magoar-lhe os dentes ou fazer com que beba demasiado leite ou sumo, o que pode dificultar-lhe a aprendizagem de hábitos de alimentação correctos em casa e na escola. Não utilize a comida como recompensa ou suborno por bom comportamento. Estudos realizados mostram que a curto prazo este padrão conduz a uma diminuição no consumo de comida e a longas guerras. Em vez disso, utilize autocolantes divertidos as crianças desta idade adoram-nos.
- Ainda continua a ser uma boa ideia evitar alimentos duros, em pedaços pequenos, tais como rebuçados, chicletes, amendoins e pipocas. Estes alimentos podem alojar-se no tubo respiratório do seu filho e asfixiá-lo.
- A televisão e as refeições não combinam. O seu filho de 3 anos desenvolverá maus hábitos de alimentação e perderá a actividade social da interacção familiar. E começará a ser influenciado por anúncios que impingem alimentos que podem não ser as melhores opções para ele.
- Mantenha pão, bolachas de água e sal e uma taça de massa à disposição em cada refeição para que o seu filho possa ter estas opções se todas as outras falharem.

Sugestões de Refeições:
Faça pizzas pequenas com o seu filho de 3 anos! Pode disfarçar muitos legumes e carnes nutritivos (mesmo aproveitando sobras) debaixo do queijo derretido. Utilize um meio bagel, legumes em puré ou cortados em pedacinhos, frango desfiado ou mesmo ovo cozido picado. Um molho vermelho uni-los-á e o queijo envolverá tudo. O seu filho apreciará mais esta pizza se participar na sua confecção.
Utilize formas de biscoitos para fazer sanduíches com formas! Um excelente recheio pode incluir manteiga de amendoim leve, queijo fresco, fiambre e atum, carnes ou ovos em pedacinhos. Se deixar o seu filho de 3 anos cortar as formas ele divertir-se-á muito mais.

* Artigo realizado pela Dra.Suzanne Dixon

 

 

Pode interessar-te:

Toalhitas

Toalhitas Dodot Activity

Cuidado máximo de Dodot.