O seu bebé já tem 16 meses

O seu bebé já tem 16 meses

Bebé

O seu bebé já tem 16 meses

A sua personalidade começa a formar-se 

A MAIORIA DOS PAIS FICAM SURPREENDIDOS COM A PERSONALIDADE FORTE QUE OS SEUS FILHOS TÊM NESTA IDADE. O caráter individual torna-se evidente à medida que a criança enfrenta diariamente novas oportunidades de aprendizagem à sua maneira.

Guia para os avós.

Se os vossos pais cuidarem do vosso filho regularmente ou se estiverem a planear visitar-vos, o seu desejo é verem os netos sãos e salvos. As seguintes sugestões serão úteis.

- Sugiram-lhes que tenham à mão os números de telefone mais importantes, como o do médico do bebé, das urgências do hospital e do centro de assistência toxicológica, junto a todos os telefones de casa quando os netos os visitarem, de forma a poderem contactar rapidamente no caso de uma emergência.

- Quando os visitarem, ajoelhem-se para observarem a divisão da perspetiva do vosso filho. Tal ajudar-vos-á a identificar os perigos de forma mais eficaz. É possível que os avós se tenham esquecido de como as crianças conseguem ser rápidas e espertas. Para eles, é ainda mais importante terem a certeza de que a casa é segura para as crianças, pois o seu próprio tempo de reação é mais lento e é provável que tenham menos força para apanhar rapidamente um dos 'diabinhos' com a mão.

- Os avós nunca devem subestimar as capacidades dos netos para trepar, explorar ou mover móveis para alcançarem algo que está numa posição elevada. Por outras palavras, a casa dos avós deve ser segura para os bebés! Eles criaram os seus filhos, mas atualmente, os especialistas dão uma grande importância a um ambiente seguro para as crianças antes de nascerem. Antigamente, a estratégia baseava-se em vigiar uma criança de perto. O método passivo (coisas e lugares seguros) em oposição ao método ativo (vigilância) reduziu entre 50% e 75% a taxa de acidentes infantis nos últimos 20 anos.

O artigo adequado.

Atualmente, as mochilas porta-bebés traseiras ou dianteiras e os carrinhos são elementos essenciais para muitas famílias, já que ajudam o bebé a sair para explorar o mundo. Transportar o bebé numa mochila porta-bebés pode ser um bom exercício e permitir-lhe-á chegar onde os carrinhos não conseguem levá-lo. Cuidado com os lenços porta-bebés durante os primeiros meses, uma vez que não são seguros e podem originar acidentes devido às alterações da posição do pescoço para a frente e às apneias.

- Para as mochilas porta-bebés traseiras, certifiquem-se de que dispõem de uma alça firme. Os bebés pequenos são peritos a porem-se de pé no suporte da mochila ou na alça de segurança para as ancas e a saírem, assim, da mochila, por isso assegurem-se de que as suas pernas estão cuidadosamente viradas para a frente antes de iniciar a viagem. Invistam numa boa mochila porta-bebés traseira: é essencial que tenha um bom acolchoamento para as ancas, visto que é aí que assenta a maior parte do peso do bebé.

- Os carrinhos devem ser sólidos, firmes e pesados, porque alguns bebés conseguem levantar os modelos mais leves. Se acrescentarem peso à parte traseira, podem melhorar ligeiramente a sua estabilidade, mas ainda será necessário não lhe tirarem os olhos (ou a mão) de cima.

Deixem-no escolher.

Nesta idade, deve-se permitir que uma criança pequena escolha, até certo ponto, o que vai comer. Ofereçam-lhe alimentos nutritivos e permitam que assuma algum controlo relativamente à sua alimentação.

O apetite e o crescimento tendem a ficar nivelados durante o segundo ano, portanto, não necessitará da mesma quantidade de alimentos de antes. Em relação ao tipo de alimentos que o bebé come, já não é necessário esmagar nem dar apenas alimentos moles. Na verdade, se lhe derem alimentos com texturas diferentes, melhorarão as suas habilidades orais, já que lhe darão a oportunidade de mastigar e de engolir alimentos com uma consistência variada e, assim, de ampliar a sua gama de sabores aceitáveis. Deixem-no escolher a sua própria comida a partir dos alimentos que a família estiver a comer mas evitem o sal e os fritos em excesso.

Tentem relaxar no que toca ao horário das refeições. Evitem comentários como "Olha para a tua irmã mais velha. Ela adora vegetais". Se o pressionarem, provocarão, de certeza absoluta, o efeito contrário e, inclusive, poderiam originar problemas alimentares. Quando sentir fome, comerá. Transformar as refeições em momentos especiais de partilha com os outros ajudará o vosso filho a criar bons hábitos alimentares. No entanto, não devem esperar que permaneça convosco durante toda a refeição. O máximo que podem esperar são uns breves minutos da sua companhia. Apesar de tudo, esses poucos minutos são importantes, na medida em que ele aprende que faz parte deste acontecimento social e familiar.

Adotem uma postura firme.

As lutas pelo controlo de tudo, desde a escovagem dos dentes à hora de deitar, são normais e comuns à medida que o vosso filho se torna mais independente. Não tenham receio de serem firmes!

É importante apoiar a crescente sensação de independência do vosso filho, mas não o deixem pensar que tudo é negociável. As crianças sentem-se mais seguras se souberem que há limites estabelecidos nos quais podem confiar. Pelo contrário, sentem-se ansiosas se as regras mudam ou parecem flutuar com o estado de ânimo dos pais num momento específico ou se têm muito poder sobre a situação.

Pode interessar-te: