A704

Como enfrentar em família a enurese ou “as fugas noturnas”

Não existe uma relação direta entre incontinência noturna primária e problemas psicológicos. Nos inúmeros estudos realizados, destinados a procurar relações com deficiências intelectuais, personalidades especiais, perturbações psiquiátricas, etc., em nenhum deles se encontrou uma relação coerente. Tenha paciência e incentive o seu filho. O vosso grau de preocupação e o nível de tolerância como pais influenciará de forma decisiva a sua evolução.

Qual é realmente o problema? Em que consiste?

A enurese noturna é o termo médico para a incontinência urinária (fazer xixi) durante a noite. A criança pode ter dificuldade em reconhecer quando tem a bexiga cheia, mesmo quando está acordada, pelo que pode urinar involuntariamente em qualquer altura do dia ou da noite.

 

A enurese noturna é comum em crianças pequenas: 1 em cada 10 crianças de cinco anos passa por esta situação e é uma etapa normal do desenvolvimento. Não deve ser considerada como uma aprendizagem falhada do uso da casa de banho: cada criança amadurece e desenvolve o controlo da bexiga ao seu próprio ritmo e, na verdade, muito poucas conseguem controlar a micção noturna antes de 3 anos.  

Quais são as causas mais comuns (às quais costumamos atribuir a incontinência)?

            •          Sono profundo

            •          Problemas emocionais

            •          Criança nervosa

            •          Aprendizagem inadequada do controlo

            •          Historial familiar

            •          Despreocupação

            •          Beber demasiados líquidos

            •          Medo do escuro

No entanto, nenhum deles é, em si, uma causa explicativa. Na maioria dos casos, acontece simplesmente porque o seu filho dorme profundamente e não acorda quando tem a bexiga cheia. Nada mais do que isso.

E você como se sente? Controlar os seus sentimentos

Se é verdade que, nas fases iniciais, os pais conseguem mostrar-se mais compreensivos com este problema, o seu prolongamento no tempo pode gerar sentimentos de frustração. Não seja intolerante, nem culpabilize a criança pelo que se está a passar: se você não gosta que ela faça xixi na cama, não se esqueça que ela ainda acha menos graça.

E a criança?

Há crianças que vivem estes incidentes com grande preocupação e há outras que os acham perfeitamente normais. Além disso, ao manter o assunto em segredo, muitas delas podem pensar que são as únicas a quem isto lhes acontece! Nestas idades, a perceção que as crianças têm do mundo é veiculada (mais ou menos) pela vivência dos pais, por isso é vosso dever “informá-las” e “motivá-las”.

Como ajudar o seu filho?

A criança precisa, principalmente, de conforto e compreensão.

  • Diga-lhe que a culpa não é culpa dela e que, com o tempo, tudo se resolverá. Os outros membros da família também devem ser sensíveis à questão e não permita que os irmãos mais velhos gozem com ela.
  • Coloque uma capa de plástico por cima do colchão e faça-a participar na lavagem dos lençóis, mas de uma forma que não seja humilhante. Pode ajudá-la a tirá-los, por exemplo.
  • Lembre-a que se deve levantar e ir à casa de banho ou chamar por si, e deixe um bacio no quarto se achar que a casa de banho fica longe. Já pensou se a casa de banho é acessível para a criança à noite?
  • Incentive-a a ir à casa de banho antes de ir para a cama, antes da história, depois…

 A sua atitude como pai ou mãe

Conforme dissemos anteriormente, as interpretações que se fizerem sobre a origem do problema, o grau de preocupação e o nível de tolerância dos pais influenciam a forma como as crianças vivem a incontinência. Se os pais começarem a ficar impacientes, a tensão criada pode ser um fator de “manutenção” do problema. Do mesmo modo, uma excessiva "normalização" (dizer à criança que "não há problema") também não ajuda.

Conclusão:

A atitude recomendada para os pais é de compreensão, apoio e motivação para a mudança. É necessário que a criança se sinta motivada para colaborar e viva o molhar a cama como um inconveniente do qual não tem culpa mas que quer resolver.

 

Gostou deste artigo? Faça ‘Gosto’ ou deixe-nos um comentário. Esperamos ter podido ajudá-la e incentivamo-la a viajar pelo mundo ou a ir visitar a família de avião com o seu bebé. Se quiser saber mais, continue a navegar na página da Dodot e encontre mais informações em “Aprender a usar o bacio”.



Pode interessar-te: