?
Por qué registar?
Receberá as nossas newsletters com a informação relativa ao seu momento da gravidez ou do cuidado do seu filho.
Ao identificar-se em dodot.com, oferecer-lhe-emos informação personalizada.
Poderá participar na Comunidade Dodot.
Com um único registro terá acesso a Dodot, Kandoo e Happyjama.
Identifique-se
Recordar palavra-chave
Dodot.com
¿habla español?
Seleccione um tema:
Seleccione uma etapa:

Artigos

Amamentacão materna

3 votos

Amamentacão maternaCONSELHOS E RECOMENDAÇÕES PARA A AMAMENTAÇÃO MATERNA

 

O leite materno é o melhor alimento que se pode oferecer a um recém-nascido ou lactante durante os primeiros meses de vida. É um alimento completo que fornece ao recém-nascido todos os nutrientes de que necessita para crescer e se desenvolver. Além disso, tem efeitos benéficos comprovados sobre a sua saúde, visto que reduz a incidência e/ou a gravidade de múltiplas infecções (gastroenterite, infecções das vias respiratórias, otite, bactérias, meningite e infecções urinárias, entre outras) e protege contra o síndrome de morte súbita, diabetes, doença de Crohn, linfoma e outras doenças imunológicas e alérgicas.

A amamentação materna também actua de forma benéfica sobre o organismo da mãe, já que diminui o risco de hemorragia pós-parto, favorece a contracção uterina e reduz o risco de cancro da mama e do ovário pré-menopáusico. Toda a mãe está capacitada para dar peito ao seu filho/a. Embora os primeiros dias possam ser difíceis tanto para a mãe como para o bebé, com vontade, amor, paciência e bons conselhos, consegue-se uma amamentação satisfatória na maioria dos casos.

É frequente que a mãe se faça questione: poderei dar peito? Tenho leite suficiente? Será bom? Quanto tempo tem que esperar entre cada mamada? Como sei que come o suficiente? Por que não agarra bem? Que farei quando tiver que voltar a trabalhar? Para informá-la e lhe oferecer a possibilidade de expor as suas dúvidas e de partilhar as suas experiências, existem inúmeras associações, tanto a nível internacional (“A Liga do Leite”) como a nível distrital, e inclusive local. Por isso, no USP Instituto Universitário Dexeus criámos o Grupo de Consulta e Aconselhamento para a Amamentação Materna.

CONSELHOS E RECOMENDAÇÕES PARA INICIAR UMA AMAMENTAÇÃO MATERNA SATISFATÓRIA

Recomendações gerais

• Iniciar a amamentação o mais cedo possível, na sala de partos ou durante a primeira hora de vida: é o momento em que o recém-nascido está mais desperto, com um reflexo ou instinto de sucção vigoroso, antes de mergulhar num sono profundo. É importante porque favorece a aprendizagem do recém-nascido e porque estimula a subida do leite.

• Convém manter a amamentação exclusivamente com leite materno até ao 6.º mês: é benéfico dar o peito seja qual for a duração da amamentação, mas para potenciar ao máximo os seus efeitos é importante alimentar o lactante exclusivamente com leite materno até aos 6 meses e continuar, no mínimo, até ao primeiro ano de idade. A partir dos 6 meses, deverão também introduzir-se outros nutrientes.
Conselhos práticos para o inicio da amamentação

• Postura correcta: O bebé deve ter a boca aberta aproximadamente 180°, os lábios ligeiramente voltados para fora e deve abarcar toda a auréola com a boca. Não é recomendável fazer a pinça com os dedos para que saia mais leite, já que na realidade apenas se consegue obstruir alguns canais. É preciso colocar o bebé de modo a que o mamilo fique ao nível do nariz ou do lábio superior. Então, aproxima-se o bebé do peito (não ao contrário). A postura convencional é aquela em que a barriga da mãe e a do bebé se tocam (peça conselho para aprender outras).

• Frequência e duração das mamadas: Recomendamos-lhe dar de mamar conforme ele pedir. Isto significa que lhe deve dar peito sempre que o peça. Um recém-nascido não tem horário, mas pouco a pouco irá adquirindo o hábito do tempo. Para facilitar esta adaptação, é recomendável que o bebé passe o maior tempo possível com a mãe, começando pelo internamento no hospital. Há bebés muito tranquilos (poucos) que dormem profundamente e não pedem de comer. Nestes casos, recomenda-se acordá-los de 3-4 horas para lhes oferecer o peito.

Em general, a duração das mamadas é variável e é determinada pela resposta do recém-nascido e não pelo relógio. Ao princípio, pode ser que necessite de mais tempo em cada peito e depois lhe chegue um período mais curto. Não se esqueça que cada bebé é diferente.

• Conselhos durante a mamada: a concentração de gordura é mais alta no final da mamada. Por isso, é importante deixar que o lactante termine completamente um peito antes de lhe dar o outro (alguns bebés ficam satisfeitos com um só peito), pois se toma leite mais rico em gordura, ficará mais saciado e poderão espaçar-se mais as mamadas.

Recomenda-se iniciar sempre as mamadas começando por peitos alternados. Se terminou a mamada anterior com o esquerdo, deverá começar a próxima pelo direito, e assim sucessivamente. Não se recomenda o uso de chupetas, bicos artificiais e tetinas, pelo menos durante as primeiras semanas porque a forma como se utilizam estes objectos é diferente da postura correcta de mamar, e pode dificultar a sua aprendizagem ou confundir o bebé.

INFORMAÇÕES E CONSELHOS PARA MANTER O PERÍODO DE AMAMENTAÇÃO

Informações e recomendações gerais

• A alimentação da mãe deverá ser saudável e variada: Não há alimentos contra-indicados e aconselha-se ingerir muitos líquidos (água, sumos naturais e leite).

• Durante o primeiro e o segundo mês, o recém-nascido pode mamar entre 6 a 12 vezes por dia: em geral, o número e a duração das mamadas começam a diminuir a partir do terceiro ou do quarto mês de vida do bebé.

• Como certificar-se de que está bem alimentado: O recém-nascido bem alimentado suja 5 ou mais fraldas em 24 horas. Como as fraldas são muito absorventes, pode reconhecer-se a quantidade de urina pelo peso da fralda usada. Um bebé que coma bem também evacua com frequência no início, mas pode ser normal tanto que faça 1 em cada 2 dias como que faça 6-7 vezes por dia. As evacuações normais no início são líquidas, com grumos, que irão adquirindo consistência progressivamente. Têm uma cor que vai do amarelo claro ao verde, ocasionalmente.

Um bebé bem alimentado também tem os olhos brilhantes e está alerta. Além disso, tem boa cor e aumenta de peso progressivamente. O aumento de peso pode ser muito variável de uma semana para a outra, pelo que não devemos alarmar-nos se numa semana aumenta apenas 50g (se come e urina bem). Possivelmente, na semana seguinte compensará a situação aumentando mais de peso. É importante pesar o bebé sem roupa e sempre na mesma balança, e tenha em conta que os bebés alimentados com biberão não aumentam mais de peso que os de amamentação a peito.

Não é recomendável oferecer-lhe o biberão depois do peito apenas para comprovar se ficou com fome, pois há bebés com grande necessidade de sucção que poderão beber o biberão sem terem fome. Pode ser que a cada mês e meio, coincidindo com o aumento de peso, o lactante peça mais durante alguns dias. Fá-lo porque desta maneira estimula-se a produção de leite e aumenta a quantidade. Se se seguir a regra de dar-lhe o peito conforme a necessidade, em poucos dias a situação regular-se-á e as mamadas espaçar-se-ão de novo.

QUANDO CONVÉM CONSULTAR O PEDIATRA

Recomendamos consultar o pediatra se

• Não aumenta de peso numa média de 100-150g por semana e/ou se perde peso.

• Suja menos de 5 fraldas por dia.

• Rejeita o alimento durante várias mamadas consecutivas.

• Realiza menos de 1 evacuação em 24-48 h., seca e/ou muito escassa (apesar de que realizar 3 ou 4 evacuações abundantes por semana pode ser normal a partir dos 2-3 primeiros meses).

• Se o bebé está menos activo, tem os olhos encovados, está muito irritável ou tem má cor.

 

 

Por que é que algumas mulheres têm leite e outras não? Eu gostaria de alimentar o meu filho de forma natural, mas como é que posso saber se terei leite suficiente?


São muito poucas as mulheres que não podem amamentar os filhos, por razões médicas (défice de prolactina, tecido mamário insuficiente, etc...). As maiores causas de fracasso no aleitamento durante os primeiros 15 dias de vida são os erros na técnica do aleitamento, a administração precoce de biberões ou a chucha, a falta de sucção por um horário rígido com poucas mamadas por dia ou o facto de não terminar completamente um peito. A mãe deve ingerir líquidos abundantes (água, sumo, sopa, infusões, leite...) e rever a posição ao peito e a técnica de alimentação, estabelecendo um ritmo flexível “sob pedido” das mamadas. É uma grande ajuda, em caso de dúvidas ou problemas relacionados com a amamentação, assistir a reuniões das diversas associações existentes para a promoção do aleitamento materno no nosso meio. No caso de necessitar transitoriamente de suplementos de leite, é conveniente administrá-los com uma colher, um copo ou uma seringa pequena, para evitar a introdução precoce das tetinas.

 


É verdade que o leite materno não alimenta tanto como o leite adaptado de biberão e, por isso, o bebé tem que mamar com maior frequência?

O leite materno é o alimento ideal e suficiente para os recém-nascidos e lactentes até aos 6 meses de idade. O leite adaptado é de digestão mais difícil e mais lenta e, por isso, as mamadas podem ser mais espaçadas, mas está comprovado que o lactente alimentado de forma natural tem um melhor aparelho digestivo e metabólico. O leite materno possui certos componentes exclusivos (lactoferrina, imunoglobulinas, peroxidase, complemento, etc…) que protegem o lactente contras as infecções; além disso, o seu conteúdo em gorduras (tipo omega 3 e 6) favorece o desenvolvimento do sistema nervoso; parece ter também um papel protector na incidência da morte súbita do lactente; diminui o aparecimento de dermatite na zona da fralda; previne a obesidade, a hipertensão arterial e a arteriosclerose em idades posteriores da vida adulta; previne o aparecimento de alergias e, inclusive, parece possuir propriedades anti-cancerígenas. Tudo isto não foi conseguido com os leites adaptados, mesmo nas suas fórmulas mais actuais.

 


O meu bebé de 2 dias de vida parece estar cheio de fome e perde peso. Uma vez que quase não tenho leite, não seria melhor dar-lhe já biberões para que se possa alimentar correctamente?

Durante os primeiros dias, o peito produz o “colostro”, que é o alimento ideal para os primeiros dias de vida de um recém-nascido. Embora a quantidade de colostro que se produz seja pequena, é suficiente para o bebé, que deve preparar o seu tubo digestivo para receber aos 3 ou 4 dias o “leite de transição”, e aos 10 dias o leite maduro. A perda de peso fisiológica é, portanto, natural e necessária. O peso é recuperado numa semana ou 10 dias: o colostro contribui com muitas proteínas (embora com menos gorduras e açúcares do que o leite maduro), especialmente imunoglobulinas e outras substâncias de poder anti-infeccioso. Tem também algum poder laxante que, ao favorecer a eliminação do mecónio (primeiras deposições do recém-nascido), ajuda a limpar o intestino e a prepará-lo para uma absorção correcta do leite materno. Contudo, os efeitos benéficos do colostro não podem ser substituídos por leite artificial, embora o bebé recupere antes o peso do nascimento.

 


Embora ganhe muito peso e mame de 2 em 2 horas, o meu filho fica com fome pois está sempre à procura como se precisasse de comer mais: devo dar-lhe alguma “ajuda”?

O recém-nascido, até aos 3 ou 4 meses, apresenta o “reflexo de procura”: trata-se de um acto reflexo e natural através do qual, quando toca algo com os lábios, especialmente se for o mamilo, a sua própria mão ou os nossos dedos, por exemplo, abre a boca e roda a cabeça em direcção ao objecto. Isto facilita-lhe o agarrar ao peito e não significa que fique com fome, sobretudo se, como acontece com o seu filho, ganhar peso suficiente.

 


O meu bebé de quase um mês e meio já está mal habituado: não tem um horário e mama muito frequentemente, especialmente à tarde. Eu tento estabelecer-lhe um horário, mas ele fica muito nervoso. Será que o meu leite não é bom? Ou será que é um bebé caprichoso e eu estou a educá-lo mal?


Tentar um horário rígido com o aleitamento materno costuma levar a um fracasso do aleitamento. Especialmente durante o primeiro mês de vida, a maioria dos recém-nascidos necessita de comer com muita frequência. Pouco a pouco, irão regularizando o horário de forma espontânea (mamando aproximadamente cada 2 ou 3 horas e até 4 de manhã e 4-5 à noite) por si próprios. Isto permite que ganhem mais peso, de forma adequada às suas necessidades desde o princípio e sempre, conseguindo que a instauração do aleitamento seja melhor e persista durante mais tempo. Portanto, o recomendável é oferecer o peito “sob pedido”, desde o momento do nascimento, especialmente durante as primeiras semanas, não devendo acordar o bebé à noite, a não ser que ele o peça. A mãe deve aproveitar os momentos em que o bebé dorme (de manhã, durante a pausa nocturna...) para descansar, sabendo que esta situação se irá regularizando por si própria.

 

 

Como posso saber se o meu filho mama o suficiente? É conveniente comprar uma balança para o pesar todos os dias?


Saberemos que um bebé come o suficiente se:

Aumentar de peso
As suas fraldas ficarem molhadas cerca de cinco vezes por dia
Fizer um mínimo de 3 ou 4 cocós por semana, embora costumem ser muito mais frequentes durante os primeiros 2 meses
Realizar pelo menos 6 mamadas diárias
Os peitos ficarem mais vazios após as mamadas, ficando mais moles do que ao iniciá-las.

Para se certificar de que um recém-nascido está correctamente alimentado, é necessário um controlo periódico do peso, uma vez por semana, indo, por exemplo, à farmácia mais próxima de casa. Deve ser pesado à mesma hora, com roupa semelhante, sempre antes ou após a mamada, na mesma balança. A pesagem diária não é necessária, pelo contrário, pode ser contraproducente, uma vez que costuma criar ansiedade. O normal é que o peso do bebé aumente, durante o primeiro trimestre, uma média de 200 g por semana, (sempre mais de 150 g), embora alguns bebés aumentem mais depressa.

 


Quais são os alimentos proibidos se estiver a dar peito ao meu filho?

Tradicionalmente, diz-se que alguns alimentos (espargos, alcachofras, alho, cebola ou algumas especiarias) dão um mau sabor ao leite e não se devem comer. É possível que alguns deles, por serem voláteis ou de sabor amargo, possam dar um sabor diferente ao leite materno, mas isto depende da quantidade ingerida e, em princípio, não existe motivo para evitar o seu consumo moderado. No entanto, se se suspeitar em casos concretos que algum alimento determinado saiba mal ao recém-nascido, é preferível evitá-lo. Também não é conveniente ingerir álcool, consumir drogas ou medicamentos, incluindo o tabaco. Não é necessário que a mãe tome demasiado leite de vaca, como se recomendava tradicionalmente, uma vez que o uso de suplementos de cálcio durante a gravidez e o aleitamento é já uma prática rotineira e poderia favorecer alguma intolerância ou alergia a proteínas do leite. Se na família existirem antecedentes de alergia a algum alimento, também é prudente evitá-los.

 


O meu filho ficava muito bem apenas com o peito, mas desde há alguns dias não pára de mamar: aumentou o número de mamadas e está sempre à procura. É possível que eu tenha ficado sem leite? Devo dar-lhe biberões?

Provavelmente trata-se de uma crise transitória no aleitamento. É um fenómeno frequente que se pode repetir 2 ou 3 vezes durante o aleitamento, em geral pouco conhecido pelas mães. O bebé, por um súbito crescimento, necessita de aumentar a produção de leite e consegue-o mamando com maior frequência durante alguns dias. Isto faz parte da regulação natural instantânea por parte dos bebés saudáveis. O desconhecimento destas crises é a causa mais frequente do abandono do aleitamento materno durante os primeiros meses, pela introdução desnecessária de suplementos de forma precipitada.

 

 

Quando devo começar a desmamar o meu filho que só toma peito há mais de 3 meses? Dentro de 4 semanas vou começar a trabalhar e, embora tenha conseguido a redução do horário laboral, gostaria de o preparar para ter a certeza de que se vai habituar à minha ausência.

O leite materno é o melhor alimento para o recém-nascido e lactente, alimento suficiente e, se for possível, exclusivo, até aos 6 meses de vida. A partir dos 4-6 meses podem começar a introduzir-se os alimentos complementares, que irão substituindo gradualmente as mamadas de leite durante o primeiro ano de vida. Uma ou duas semanas antes de começar a trabalhar, pode começar a introduzir algum biberão, seja de leite materno ou adaptado tipo 1, para que se vá habituando às tetinas. Se já tiver completado 4 meses, outra alternativa seria começar directamente com os purés ou papas: o puré de frutas, os cereais sem glúten e a sopa ou o puré de legumes com frango serão os primeiros alimentos a introduzir, à colher, na dieta do lactente. Antes de o seu bebé estar demasiado cansado ou com fome, ofereça-lhe pequenas quantidades de puré de frutas ou de papa de cereais sem glúten preparada com leite materno extraído com bomba tira-leite ou sopa de legumes, em prato e à colher. Se tomar menos de 150 ml, complete a refeição com leite materno ou, quando você não estiver presente, com leite materno extraído previamente ou leite adaptado tipo 1 em biberão.

 

 

Tenho um bebé lindo de 2 meses que se alimenta apenas com peito e está muito bem. Penso que tenho muito leite uma vez que dorme 8 horas seguidas à noite e está a ganhar muito peso. Mas dentro de 15 dias, por causa do meu trabalho, terei de viajar durante um dia e meio ou dois em cada 2 ou 3 semanas, antes de voltar a entrar, aos 4 meses, no meu horário laboral normal. Como fazê-lo, devo começar com biberões de leite artificial para que se vá habituando, uma vez que é muito cedo para as papas? Quando devo começar a desmamá-lo?


Não é necessário que comece já a dar-lhe leite de vaca adaptado, se tem muito leite e só se vai ausentar durante algumas horas. O leite materno pode ser extraído com uma bomba tira-leite, podendo ser conservado congelado até 6 meses (em frigoríficos de 6 *) ou até 48 horas no frigorífico, já a partir de agora (por exemplo, se durante a primeira mamada só mamr de um peito, tire e conserve o leite do outro) em bolsas especiais comercializadas para este fim (à venda nas Farmácias), para que lhe possa ser dado em biberão ou em copo quando não estiver presente. É melhor que os primeiros biberões – embora se trate de leite materno - não seja a mãe a dar-lhos, uma vez que ao princípio é frequente que só procurem o peito e rejeitem as tetinas, embora se vão habituando lentamente.
 

Partilhar

close

Adicionar os endereços à mão:

Adicionar

Vais enviá-lo a:

    O teu nome: O teu e-mail: Enviar